Skip to main content
Pediatria

Bronquiolite aguda: O que é? Como prevenir? O que fazer?

Novembro 23rd, 2021Sem Comentários

O que é?

A bronquiolite aguda é uma infeção das vias respiratórias baixas (bronquíolos), que ocorre habitualmente em crianças até aos 2 anos de idade, sendo causada na maioria das vezes por vírus.  

A inflamação causada pelo vírus leva à obstrução das vias aéreas, dificultando a passagem do ar, levando ao surgimento da “pieira” característica.  

Há desta forma também uma maior dificuldade de chegada de ar aos pulmões, podendo levar à diminuição da quantidade de oxigénio no sangue.  

Bronquíolos inflamados e preenchidos por muco

 

O que causa?

A bronquiolite aguda é tipicamente causada por vírus, sendo o mais frequente o Vírus Sincicial Respiratório (VSR), embora outros vírus respiratórios também possam ser os responsáveis e frequentemente existe mais do que um vírus envolvido na mesma infeção.  

Em Portugal foi lançado este ano pela Sociedade Portuguesa de Pediatria em conjunto com o Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge, um sistema de vigilância epidemiológica do VSR (VigiRSV), por ser este um vírus causador de infeções respiratórias graves em crianças, muitas vezes com necessidade de cuidados intensivos, muito mais do que a infeção por SARS-CoV2.  

Habitualmente, no Hemisfério Norte, o pico de incidência do VSR ocorria nos meses de inverno (Dez-Fev), mas nos últimos anos e no ano 2021 com maior destaque, verificou-se um aumento significativo da incidência ao longo do ano, com destaque para os meses de verão e outono. 

 

Sinais e sintomas:  

Habitualmente inicia-se com 1-2 dias de sintomas respiratórios altos (semelhante a uma constipação): 

– espirros 

– rinorreia (corrimento nasal) 

– tosse ligeira 

– febre baixa

– diminuição do apetite 

 Progride depois a inflamação para as vias respiratórias baixas, fazendo surgir:  

– aumento da frequência respiratória (respiração mais rápida) 

– dificuldade respiratória ligeira a grave, que se manifesta por retrações entre as costelas (tiragem), abertura das “asas” do nariz para respirar (adejo nasal), balanceio da cabeça

 

Criança sem dificuldade respiratória

 

Criança com sinais de dificuldade respiratória

– Apneia: Nos recém-nascidos (prematuros ou não) pode ser o primeiro sinal de dificuldade respiratória, com pausas respiratórias superiores a 15-20 segundos.  

– Pieira – com duração habitual de 7 dias 

– Diminuição do apetite causada pela obstrução nasal e cansaço respiratório, que leva também à desidratação 

– Cianose (coloração arroxeada dos lábios, língua e à volta da boca) persistente, que é um sinal de baixa quantidade de oxigénio no sangue.  

Como é que se transmite? 

A bronquiolite aguda transmite-se por gotículas respiratórias. A utilização de máscara e a etiqueta respiratória durante o período mais intenso de pandemia SARS-CoV2 diminuiu a incidência de bronquiolite aguda por esse motivo.  

Crianças com mais de 2 anos e adultos manifestam habitualmente a infeção por VSR com sintomas de resfriado, nomeadamente rinorreia (corrimento nasal), congestão nasal, febre baixa, espirros, tosse ligeira. A transmissão para as crianças mais suscetíveis (recém-nascidos e crianças com menos de 2 anos) é feita habitualmente pelos adultos ou pelos irmãos mais velhos, que frequentam o infantário.  

Por esse motivo é importante a etiqueta respiratória e que os irmãos que frequentam o infantário tomem banho e mudem de roupa ao chegar a casa, antes de contactar com o bebé.  

Crianças com bronquiolite aguda devem também ser afastadas de doentes suscetíveis (idosos, doentes cardíacos ou respiratórios), porque também neles esta infeção pode ser grave.  

Não existe vacina contra o VSR, mas existe uma espécie de proteção temporária dada por anticorpos formados em laboratório (Palivizumab), que é administrada por rotina a partir do outono a recém-nascidos e lactentes ex-prematuros, cardiopatas ou com displasia broncopulmonar.  

Como se diagnostica?

O diagnóstico de bronquiolite aguda é feito a partir da história clínica e do exame objetivo do médico. Habitualmente são necessários quaisquer exames (análises, Rx, etc.) para confirmação. A partir da avaliação clínica, o médico determina a gravidade da bronquiolite aguda. Se for uma situação grave ou com risco de complicações, será necessário hospitalização, para hidratação e fornecimento de oxigénio.  

Tratamento – o que posso fazer em casa? 

– Hidratação – assegurar que o bebé ou criança ingere líquidos suficientes. Vigiar as fraldas – se fraldas mais secas que o habitual é sinal de desidratação.  

– Humidificar/não deixar secar o ar do quarto onde a criança dorme 

– Se febre, administrar antipiréticos (preferencialmente paracetamol).  

– Lavar o nariz com soro fisiológico ou água do mar regularmente e aspirar com aspirador nasal, sobretudo antes de comer e antes de dormir.  

– Levantar a cabeceira da cama a +/- 30º (não usar almofadas em crianças com menos de 1 ano), colocando uma manta/toalha/livros de baixo do colchão. 

– Dormir no mesmo quarto que o bebé/criança, para vigiar a respiração. 

– Não fumar e não permitir fumo de tabaco perto da criança. 

Quando procurar avaliação médica em consulta? 

– Se febre, sobretudo em bebés com menos de 3 meses 

– Se houver sinais ou sintomas de bronquiolite aguda 

– Se o bebé ou criança mama/come menos que o habitual e as fraldas estão menos molhadas que o habitual 

– Se houver dúvidas acerca da situação 

Quando procurar ajuda emergente? 

Se a qualquer momento houver sinal de agravamento ou de bronquiolite grave, deve pedir ajuda imediata. Estes sinais incluem:  

– Dificuldade em respirar / cansaço 

– Retrações dos espaços entre as costelas, da barriga ou da garganta (acima do esterno) com a respiração 

– Palidez ou coloração azulada da pele, sobretudo à volta da boca e na face 

– Crises de tosse intensas 

– Pausas respiratórias/apneia